terça-feira, 25 de outubro de 2011

Entrevista com Pedro Sérgio, candidato a presidente da APES

Indicado pelo movimento Tenho Algo a Dizer à presidência da entidade estudantil mais antiga do país, a APES/RN, Pedro Sérgio, aos 17 anos, tem a responsabilidade de conduzir a UJS, depois de mais de uma década, à presidência da maior entidade representativa do Rio Grande do Norte, cuja base social é de quase 1 milhão de estudantes. Nesta entrevista, Pedro fala de meia-entrada, de sonhos, metas e o que pretende fazer para elevar o movimento secundarista em todo o Estado. Confira!

Indicação à presidência da APES

Para mim, foi uma boa surpresa, mas toda a concentração neste momento é para seguirmos o trabalho que todos os secundaristas vêm realizando. Elegemos uma bancada com mais de 40% de representatividade para a UBES e mais de 50% para a APES. Teremos o Congresso da APES mais representativo das últimas décadas, com o PT presente, o PMDB e a JSB.

Embora estejamos bem posicionados, não há qualquer clima de "já ganhou". Vamos intensificar a conversa com os delegados, a visita às cidades e construir uma bancada de qualidade para apresentar uma opinião capaz de unificar o sentimento dos estudantes para a defesa das nossas bandeiras educacionais.

Educação

Nas visitas às escolas, temos dito que muitos foram os avanços educacionais no país nesse último período, mas tais avanços não chegaram à rede de educação básica, com exceção da rede federal de ensino técnico e tecnológico que viveu uma expansão muito positiva. Para nós, estudantes de escolas públicas, as dificuldades são enormes e são as mesmas de uma década atrás - falta de professores e desestímulo desses profissionais, ventiladores que não funcionam direito, instituições escolares pouco democráticas, dentre outras.

Precisamos avançar do posto de vista da prioridade dada pelo governo federal e, para nós, do Movimento Tenho Algo a Dizer, a principal pauta hoje é a dos 10% do PIB para a educação. No Estado, são péssimos os recados dados pelo governo estadual, com o fechamento de centenas de escolas e trato inadequado ao lidar com as reivindicações dos servidores. Nesse cenário, os estudantes precisam estar bem organizados para evitar retrocesso e avançar nas conquistas.

Meia-Entrada

É indispensável combatermos os mercadores da meia-entrada, gente que lucra com um direito conquistado pelas entidades legítimas dos estudantes, muitos com idade acima dos 30 anos, estudantes profissionais mesmo. Nós somos radicalmente contra a utilização da carteira por aqueles que não possuem o direito e, desse ponto de vista, a Identidade Estudantil Eletrônica foi um avanço inquestionável. É preferível que todo estudante receba gratuitamente sua carteira a termos empresários de carteira desmoralizando o direito à meia-entrada e à meia-passagem.

A opinião do movimento Tenho Algo a Dizer é a de contribuir para que os empresários de carteira mudem de profissão e passem a ganhar dinheiro com dignidade. A carteira de estudante é um direito de quem de fato está em sala de aula e os recursos obtidos através dela devem estar sempre a serviço da luta dos estudantes.

Movimento Estudantil

Nós acreditamos que temos, ao longo dos próximos dois anos, um grande desafio, que é o de reorganizar as entidades no interior do Rio Grande do Norte. No último CONEG da UBES, apenas 5 entidades municipais estiveram presentes, o que mostra o tamanho da responsabilidade que nós temos.

É preciso garantir um calendário de lutas do movimento estudantil potiguar. A Jornada de março, que mobilizou mais de 3 mil estudantes, precisa estar todo ano na agenda, como também entre os meses de agosto e setembro.

Vamos organizar fóruns regionais, agendar reuniões com as UMES por todo o RN e ter uma participação propositiva e de alto nível nos Conselhos os quais a APES faz parte, como o da Gestão Democrática e do Conselho Gestor do FUNDEB.

Tenho Algo a Dizer

Esse movimento representa o entusiasmo e a disposição da nossa geração, que não se cala e não se omite diante das dificuldades que se levantam. Temos uma opinião avançada e alicerçada sobre os conhecimentos que adquirimos no dia-a-dia do movimento estudantil. Nosso movimento é o que mais está presente nos Institutos Federais, o que dirige a maior quantidade de grêmios estudantis, que mais está presente em entidades municipais e que, portanto, chega com bastante representatividade para a Etapa Estadual da UBES e para o Congresso da APES.

Será um Congresso fantástico, fruto da mobilização de várias forças e movimentos juvenis, da participação de mais de 190 mil estudantes na base e da presença de quase 30 municípios. Nossa expectativa só pode ser, então, a de um grande Congresso! Vamos à vitória do movimento secundarista potiguar e brasileiro!

Quer saber mais? siga @Pedro_SergioUJS no twitter.

Nenhum comentário: